Ich Seh, Ich Seh – Boa Noite, Mamãe: A Resistência Psíquica às mudanças relativas ao Luto

Artigo escrito por Roberto Guimarães, Especialista em Sociologia e Diretor do Grupo Projetar - Evolução Pessoal, e por mim, em parceria com o site Natyvo´s Digitais.






AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS.

O filme Boa Noite Mamãe é um suspense impressionante que cria a tensão a partir do ritmo e da linda fotografia. O ritmo possibilita ao espectador se envolver com a trama, dá tempo à construção da identificação com os personagens. A fotografia reflete bem o desolamento necessário à ambientação.
A mãe chega em casa após uma cirurgia plástica. Seu rosto coberto por bandagens lhe confere um aspecto desumano, um tanto ameaçador. Apesar de possuir dois filhos, dirige a palavra a apenas um deles. O trato é frio e bruto, com rompantes de violência, sugerindo instabilidade emocional. Quase não há diálogos. O local é isolado da cidade e as crianças ficam praticamente restritas ao convívio com a mãe.
Conforme a trama se desenrola, as crianças passam a duvidar se aquela mulher que voltou é de fato a mãe deles. Apesar de não estar claro de início, as cenas vão mostrando, aos poucos, que uma tragédia, a perda de algum familiar, havia assolado a família, criando o penoso clima entre os personagens.

Vídeos da minha parceria com Domínio Delas - Canal para Mulheres

Total de visualizações de página desde março de 2011

Seguir por email

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial dos conteúdos deste blog sem a autorização do autor.

Todas as imagens contidas neste blog foram retiradas do Google Images.